Momento Especial e o Medo do Cabra Cabrês

(Para ler esse texto em inglês  acesse os textos do Filhas e Filhos no site do Hand in Hand Parenting)

Acabei de usar uma técnica do Hand in Hand Parenting, chamada Momento Especial (Special Time). A ideia é dar total atenção a uma criança e permitir que ela escolha o que quiser fazer dentro de um limite de tempo estabelecido por um adulto. Eu estabeleci o tempo de 15 minutos e disse para a Luna: “O papai vai correr agora e quando eu voltar vou tomar banho e comer meu café da manhã. Depois disso eu terei 15 minutos para fazer um Momento Especial com você. Você pode escolher o que quiser fazer aqui em casa e eu farei só com você.” Na hora do momento especial pedi para a Regiane ficar com o Leo, pois cada um deve ter seu momento especial sozinho, sem que o adulto divida a atenção com outra criança, com outro adulto ou com celular, computador, telefone. Leo chorou e disse que queria brincar também. Eu disse que faria um Momento Especial com ele depois que acabar o tempo da Luna.

Luna me convidou para jogar um jogo de cartas da maneira que ela inventou. Ela ganhou uma cartas com figuras e números e disse que deveríamos desenhar em volta das figuras. Ela pegou um lápis cinza e eu perguntei o que eu deveria fazer. Ela explicou que era para eu pegar um lápis como o dela. Peguei um lápis de cor e mostrei para ela. Luna disse: “Não, esse é mais grosso. Você tem que pegar um igual ao meu.” Nessa hora é muito importante checar com a criança se estamos fazendo exatamente o que ela quer. Ficamos desenhando nas cartas por alguns minutos. Ela se cansou e disse que queria balançar no sling e depois disse: “Não, eu quero ser bebê!” Isso é uma brincadeira que fazemos na qual ela entra no sling como se fosse um bebê. Ajudei Luna a entrar e perguntei o que ela queria que eu fizesse. Ela disse: “Primeiro você balança fraco, depois médio, depois forte e depois com rapidez!” Comecei balançando fraquinho e fui seguindo suas instruções: “Agora médio”,  “Agora forte”, “Agora rapidez”. Ela estava gostando muito de ir rápido e disse: “Parece que eu estou em uma cama voadora”. Fiquei balançando Luna por vários minutos. Depois ela pediu para parar. Então falou: “Vamos montar uma torre bem grande?”. Eu disse com entusiasmo: “Vamos!” Na hora do momento especial é importante que você se entregue e transmita todo amor e empolgação possíveis. Começamos a montar uma torre com aqueles blocos de madeira que já existiam na minha época. Deixei que ela dirigisse a brincadeira e fui montando junto, fazendo exatamente o que ela queria.

Em um determinado momento Luna disse: “Será que o Cabra Cabrês consegue entrar nesse castelo?” Há duas semanas fomos a uma sessão de contação de histórias e uma das histórias contadas era sobre um bicho grande e feio que invade a casa das pessoas quando elas não estão. Na história, a mãe sai de casa e pede para o filho ficar lá dentro, mas o filho decide ir brincar na floresta e quando volta o Cabra Cabrês tinha trancado ele para fora de casa. Toda vez que o menino ou um animal amigo do menino tentavam entrar, o Cabra Cabrês dizia com uma voz terrível: “Eu sou o Cabra Cabrês. Pra cima de ti, te parto em três!” Não vou entrar na discussão sobre se essa história é apropriada para uma criança de 4 anos, mas o fato é que ela ouviu e trouxe durante nosso momento especial. Segundo a Patty Wipfler, fundadora do Hand in Hand Parenting, as crianças utilizam o Momento Especial para trazer conteúdos que possam estar incomodando. Dito e feito. Pelos próximos minutos, Luna ficou falando sobre o Cabra Cabrês. “Acho que ele não consegue entrar aqui. Se ele quiser, podemos deixar ele só espiar. Se ele quiser  entrar, vamos falar que o castelo ainda não está pronto e ele vai embora.”

A minha atenção integral fez com que ela sentisse segurança para trazer um tema difícil para ela. Ela estava com medo e se esse medo fica dentro dela, atrapalha seu dia a dia. Na correria, mesmo quando estamos com nossos filhos, muitas vezes não estamos realmente. Nossa cabeça está em outro lugar e isso se traduz em pequenos gestos, olhares, movimentos que são captados e interpretados pelas crianças mais ou menos dessa forma: “não vou me abrir meu coração e falar de algo difícil para alguém que não está prestando atenção.” Basta imaginar aqueles momentos onde você está angustiado com alguma coisa e precisa conversar com alguém, mas justo a pessoa na qual você mais confia está com olhos grudados na televisão, mas diz: “Pode falar, eu estou ouvindo….” Impossível se abrir para alguém nessas condições.

Tudo o que precisei fazer foi dedicar 15 minutos integralmente para minha filha. Além de ajuda-la a expressar um medo, sei que aumentei a confiança dela em mim. Isso é um círculo virtuoso. Quanto mais ela confia em mim e se abre, mais sinto vontade de proporcionar esses momentos para ela.

É importante terminar dizendo que o fato dela ter falado sobre o medo, não significa que ela conseguiu extravasa-lo. Mas agora eu posso ficar atento e ajuda-la a colocar essas emoções para fora através de boas gargalhadas durante uma brincadeira onde posso fingir que sou o Cabra Cabrês e deixar que ela me derrube ou me expulse da casa. Não sei como será. Cenas do próximo capítulo.

Share this post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email
Scroll to Top