Uma Prática Para Melhorar a Conexão Com Seus Filhos

Uma das práticas que eu aprendi com a Paty Wipfler, fundadora do Hand in Hand Parenting, chama-se “Momento Especial”.  É um tempo, 5, 10, 15, 30 minutos, no qual você se dedica exclusivamente a estar com seu filho. No começo, eu achava que isso era uma técnica baseada naquele velho chavão de que “qualidade é mais importante do que quantidade” e que servia para acalmar os pais que passam a maior parte do dia longe das crianças. Mas ao longo de meses de prática, percebi que é algo muito mais profundo e transformador do que isso.

Para quem vê de fora, essa prática parece muito simples. As instruções são:

  1. Escolha um dia e horário
  2. Escolha a quantidade de tempo
  3. Garanta que nada e ninguém vai interromper sua prática
  4. Fale para seu filho: “eu tenho X minutos para ficar apenas com você e fazer junto o que você quiser.”
  5. Espere seu filho decidir o que quer fazer e coloque o alarme para o tempo combinado
  6. Fique presente, entusiasmado, carinhoso e faça tudo o que ele pedir (desde que não ponha em risco a criança, você, ou objetos de valor)
  7. Não corrija seu filho. Não use esse tempo para ensinar nada.
  8. Quando o alarme tocar, diga que o momento especial terminou. Fale que gostou muito desse tempo juntos (desde que isso seja sincero) e que outro dia farão novamente

Quando bem feito, esses momentos especiais ajudam a criar uma relação de confiança profunda entre a criança e o adulto e permite que a criança traga questões que possam estar incomodando. Depois de alguns Momentos Especiais, seu filho pode lhe contar algo que está acontecendo na escola e que ele não está gostando. Ou sua filha pode conseguir chorar e colocar para fora a tristeza que sente quando o pai viaja por muito tempo a trabalho. Enfim, os filhos ganham confiança para demonstrar e extravasar suas emoções conosco, os pais.

Alguns pais que fizeram o curso online Melhorando a Conexão Entre Pais e Filhos disseram que não precisam dizer que estão fazendo momento especial pois normalmente já fazem isso, sem ter que colocar alarme ou chamar desse nome.  Uma mãe, me disse que todo dias as 10:00 ela descia com a filha para uma área específica no prédio e ficavam lá até a hora do almoço brincando. Aí eu me dei conta que não estava explicando direito a parte mais importante dessa prática: o estar presente, entusiasmado e carinhoso.

Quando eu faço um Momento Especial de verdade é como se eu estivesse naquele estado meditativo no qual consigo viver o presente sem que pensamentos sobre o passado ou o futuro interfiram. Para conseguir isso, eu faço duas coisas:

  1. Estar Presente: Observo cada movimento, cada micro-expressão da minha filha ou do meu filho (pois essa prática deve ser feita apenas com um filho de cada vez), como se fosse algo inédito para mim. Ou seja, mesmo que durante o momento especial ela esteja fazendo algo que faz diariamente, como desenhar por exemplo, eu coloco uma atenção diferenciada e observo o deslizar de sua mão no papel, a forma como ela torce o lábio, a posição de sua coluna, os fios de cabelo que caem sobre sua bochecha.
  2. Estar Entusiasmado: durante o Momento Especial, se meu filho pede para eu buscar a massinha azul, ao invés de falar “pega você” ou ao invés de levantar reclamando e devagar, eu dou um salto, falo “é pra já” e volto correndo com a massinha na mão e um sorriso no rosto, como se eu estivesse honrado de poder servi-lo através deste pequeno gesto.
  3. Estar Carinhoso: fico consciente do amor que sinto pelos meus filhos e deixo que meus olhos, meu sorriso, minha voz transmitam esse carinho da forma mais explícita possível

Perguntei para essa mãe que me contou da sua rotina diária de ir brincar as 10:00 da manhã, se ela conseguia sustentar essa prática dessa forma por todo esse tempo e ela respondeu na hora: “Agora entendi que o que estou fazendo não é o Momento Especial.”

Eu geralmente faço Momentos Especiais de 15 a 20 minutos, mas já fiz de 5 minutos e já fiz de 30 minutos. Eu tenho que saber por quanto tempo conseguirei sustentar essa atenção e geralmente sou muito conservador e sempre escolho menos do que eu acho que posso fazer. É melhor fazer um Momento Especial bem feito por 5 minutos, do que mal feito por 15.

Percebi que quanto mais pratico o Momento Especial, melhor fica minha conexão com meus filhos e comigo mesmo. Portanto acredito que é uma questão de qualidade e de quantidade também. Se você só pode fazer uma vez por semana com cada filho, tudo bem, vai fundo. Mas tenho certeza que na medida em que você for sentindo a transformação em você, nos seus filhos e na relação, vai querer fazer cada vez mais.

Assim como a meditação, ou outras práticas, é o fato de praticar que faz a diferença.

Share this post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email
Scroll to Top